ico Economia
03/12/2021

O que são construções ESG e por que são tendências no mercado imobiliário?

A sigla ESG, ou Environmental, Social and Governance (ambiental, social e governança, em português) vem se tornando uma tendência no mercado imobiliário.

compartilhe: icone twitter icone facebook icone messenger icone linkedin icone whatsapp icone email

Nos últimos meses, a sigla ESG, ou Environmental, Social and Governance (ambiental, social e governança, em português) vem se tornando uma tendência no mercado imobiliário. Isso porque ela se refere aos indicadores que medem o impacto ambiental causado por construtoras, fabricantes de materiais e grandes redes que operam no setor da construção civil.

Ao todo, a ESG avalia as práticas adotadas pelas empresas e comprova o compromisso de melhoria da gestão ambiental de cada uma delas. O reconhecimento de uma empresa ESG ocorre através de certificações ou políticas implementadas e que devem ser comprovadas ao mercado financeiro.

Na construção civil, essas práticas sustentáveis que diminuem os gastos com água e energia é uma tendência que veio para ficar, e o Brasil já ocupa o quinto lugar no mundo com o maior número de construções ESG. Um dos principais diferenciais dessas técnicas na construção civil é a utilização de materiais reciclados e o reaproveitamento de resíduos gerados pela obra.

As construções sustentáveis são promissoras, considerando que a preocupação em preservar o ecossistema e reaproveitar os recursos naturais já faz parte da realidade brasileira.

Na prática, cada letra tem uma atuação específica. Confira os 3 significados:

1 – A letra E aborda as práticas de conservação do meio-ambiente e a atuação sobre itens como:

  • Aquecimento global e emissão de carbono;
  • Poluição do ar e da água;
  • Biodiversidade;
  • Desmatamento;
  • Eficiência energética;
  • Gestão de resíduos;
  • Escassez de água.

2 – A letra S aborda como a empresa se engaja socialmente, especialmente em temas como:

  • Satisfação dos clientes;
  • Proteção de dados e privacidade;
  • Diversidade da equipe;
  • Engajamento dos funcionários;
  • Relacionamento com a comunidade;
  • Respeito aos direitos humanos e às leis trabalhistas.

3 – Já a letra G se refere à administração de uma empresa, levando em consideração itens como:

  • Composição do Conselho;
  • Estrutura do comitê de auditoria;
  • Conduta corporativa;
  • Remuneração dos executivos;
  • Relação com entidades do governo e políticos;
  • Existência de um canal de denúncias.

O compromisso da RNI com as práticas sustentáveis

A RNI integra uma lista de 22 construtoras da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo – Bovespa), no segmento NM (Novo Mercado), que aponta as ações de companhias que adotam as melhores práticas de governança corporativa e de sustentabilidade, e que se adequam aos indicadores ESG.*

“Na execução das unidades habitacionais utilizamos a tecnologia parede de concreto, formas metálicas que podem ser reaproveitadas em diversas obras e a aplicação de concreto autoadensável, que permite o preenchimento uniforme das paredes. Este método construtivo é considerado benéfico pela agilidade de execução, minimização de desperdício e variedades de materiais (facilitando o processo de compras), além de proporcionar qualidade para acabamento da estrutura. Na execução das nossas obras, são utilizados kits hidráulicos e elétricos pré-montados, industrializados em ambiente fabril, suprimindo diversas etapas construtivas. Desta forma, conseguimos entregar um produto de qualidade aos nossos clientes”, explica Marcela Jogas Gnigler, Gerente de Projetos da RNI.

Quer conhecer outras práticas sustentáveis da RNI? Siga a gente no Instagram! 💚

 

*Fonte: https://www.cimentoitambe.com.br/massa-cinzenta/o-que-e-esg-e-por-que-a-construcao-civil-adere-aos-seus-conceitos/

Receba as nossas novidades de forma exclusiva!

fique por dentro! siga nossas redes sociais: